Junte-se a 22.515 pessoas que
decidiram aprender tudo sobre Criação de Blogs Profissionais e Redes Sociais.

Guest Post Henrique

Veja a RDC 216 da Anvisa com boas práticas para serviços de alimentação

Quem trabalha neste ramo, deve estar atento às normas de higiene estabelecidas pela Anvisa. Confira algumas regras estabelecidas pela RDC 216 para ajudar o seu comércio ou indústria a garantir uma higienização adequada.

O governo de cada país deve garantir que os produtos comercializados em seu país e os estabelecimentos comerciais que vendem produtos perecíveis (como alimentos) estejam em boas condições para não trazer risco aos consumidores.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é a agência responsável por regular essas normas e fiscalizar a produção e o consumo de produtos como agrotóxicos, cosméticos e medicamentos.

A alimentação é uma área bastante delicada, pois envolve um grande volume de produtos em todo o território nacional e, se não houver uma boa fiscalização, eles podem provocar danos à população e sobrecarregar o Sistema Único de Saúde (SUS). 

Além dos cuidados necessários para uma higienização adequada dos alimentos, quem trabalha nesse segmento reconhece a importância de disponibilizar ótimos produtos de higiene aos clientes, de modo a reduzir as chances de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs).

Riscos

As DTAs são caracterizadas por micro-organismos prejudiciais à saúde humana ou o aparecimento de substâncias tóxicas nos alimentos. Dentre os sintomas mais comuns associados a tais doenças estão dores abdominais, diarreias, vômitos, podendo também ocorrer dores de cabeça e até febre.

Geralmente, as DTAs têm um impacto mais grave em crianças, idosos, grávidas e pessoas que já enfrentam algum adoecimento. Essas afecções devem ser tratadas imediatamente para não se tornarem mais graves, senão podem até causar óbitos.

Cuidados

Visando impedir a disseminação das DTAs, a Anvisa estabelece boas práticas que devem ser obedecidas por quem trabalha na área a fim de garantir as melhores condições higiênicas e sanitárias do alimento. 

Essas boas práticas envolvem desde a escolha e a compra dos ingredientes até os procedimentos na hora do preparo, o armazenamento correto para a venda ao consumidor.

Para garantir tais práticas, a Anvisa definiu a RDC 216. Algumas das recomendações desta normativa para quem manipula alimentos são: a total proteção dos cabelos (para evitar que os fios caiam nos alimentos); barba feita e bigode aparado; unhas curtas, limpas e sem esmalte; uso de desodorante inodoro ou suave; não utilização de acessórios como colares, anéis, piercings, relógios e brincos.

Outros fatores importantes mencionados no RDC 216 são: uniformes limpos e usados somente nas dependências do estabelecimento e sapatos fechados e antiderrapantes. No que se refere ao avental plástico, este item deve ser restrito aos procedimentos que utilizam água excessivamente e que não são realizados próximos ao calor.

Ações e espaços

Além disso, o RDC 216 traz recomendações do que funcionários dessas empresas não devem fazer durante a manipulação de alimentos. São proibidas ações como falar, tossir, espirrar, assobiar, experimentar alimentos com as mãos, assoar o nariz, mexer no cabelo (ou penteá-lo), enxugar as mãos com qualquer peça da própria roupa ou panos, manipular dinheiro, circular sem uniforme pelas áreas de serviço e trabalhar com ferimentos, infecções na pele ou resfriados.

Essa normativa também enfatiza a importância de higienizar com regularidade os espaços e utensílios utilizados na manipulação de alimentos. Ralos, pisos, rodapés, pias, maçanetas, sanitários, recipientes de lixo e mesas (refeitório) devem ser limpos diariamente, bem como utensílios, equipamentos e bancadas.

Higienização adequada

Outra recomendação importante presente nesta normativa é a obrigatoriedade de indústrias, estabelecimentos comerciais e empresas do ramo alimentícios fixarem de forma visível em lugares estratégicos informações sobre como os funcionários e/ou clientes devem higienizar as mãos corretamente.

Além de umedecer as mãos e antebraços com água e detergente, clientes e funcionários devem massageá-las e ter atenção nos espaços entre os dedos. Após enxaguar bem as mãos e antebraços, é preciso secá-los em papel toalha descartável.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.